logotipo

Eu não preciso de terapia

Ana Paula Banov

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Mas todos podemos aumentar nosso autoconhecimento a fim de melhorar nossa vida

Todos já ouvimos esse comentário de colegas, parentes ou familiares. Talvez até já dissemos e com bastante convicção. Não dá para obrigar alguém a fazer terapia. É uma decisão pessoal, uma escolha, que requer entrega, disponibilidade e envolvimento. Sem isso a terapia é impotente. 
Psicoterapia? Com tantos remédios disponíveis contra insônia, ansiedade, depressão? 
A terapia busca melhorar a percepção de vida do paciente. Isto é possível porque o processo terapêutico aumenta o autoconhecimento e a autoconsciência. “Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta”. Frase famosa de Carl Jung que esboça o significado de autoconsciência. Com o olhar voltado para dentro de si o indivíduo percebe o mundo a sua volta de outra forma. Suas escolhas se tornam mais assertivas, construtivas, saudáveis. 
Mas qual profissional procurar? Psiquiatra? Psicólogo? Psicanalista? O psiquiatra é médico e como tal cuida das alterações psíquicas se utilizando principalmente de medicamentos para restaurar os processos químicos do cérebro. Estes medicamentos melhoram a cognição (processo de aprendizagem) e estabilizam emocionalmente o paciente. Aliviam os sintomas, mas não trabalham as causas emocionais que desencadearam o desiquilíbrio químico. As causas são atacadas através da psicoterapia. É a famosa “cura pela fala” - método criado por Sigmund Freud. O psicólogo estuda e classifica os comportamentos, trata as emoções através da mudança destes comportamentos com o conhecimento que psicólogo e paciente vão construindo juntos. 
Já o psicanalista questiona processos inconscientes, que nos leva a sentir determinada emoção ou ter determinado comportamento. Ele vai comprometer o indivíduo pelos seus sofrimentos e pelas suas conquistas. O psiquiatra e psicanalista Dr. Jorge Forbes explica que o psicanalista não anda nem na frente nem ao lado do paciente, mas “anda um passo atrás: ele não direciona, mas não o deixa parar de andar. O psicanalista não deixa você desistir de você mesmo”. 
Não importa qual a especialidade você vai escolher. Importa a busca por esse tempo dedicado a você mesmo! Todos nós enfrentamos dificuldades, mas a forma como as enxergamos é o que definirá se nosso caminho será de sofrimento ou amadurecimento. Está na hora de olharmos para dentro de nós. De entender o que nos motiva, o que nos faz agir como agimos e sentir como sentimos. É possível melhorar nossas escolhas e nossa percepção de vida.

 

 

Ana Paula Banov
Psicanalista Clínica

(19) 3461.1863 | 99113. 3474
Rua Doze de Outubro, 45, Santa Catarina – Americana
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.