logotipo

Os problemas são seus. Mas, qual é a hora de pedir ajuda?

Luciana Faria

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

A procura por um psicólogo deve ser livre de estigmas. É um tratamento como qualquer outro tratamento médico.

Todos nós passamos por situações desagradáveis quase que diariamente. Problemas conjugais, familiares, no trabalho e nos relacionamentos, dúvidas existenciais, perdas de entes queridos e outras mazelas doídas do cotidiano. Coisas inerentes ao viver e com as quais precisamos saber como lidar. O ponto é que nem todos conseguem conviver adequadamente com tais dificuldades.
É comum pessoas que ao passarem por determinados problemas perdem reforçadores importantes (situações prazerosas) e passam a ter maior contato com aversivos (eventos desagradáveis). Muitas vezes o próprio indivíduo discrimina a situação em que se encontra, mas não consegue livrar-se dela e permanece com o sofrimento. Este é um importante momento para se procurar a ajuda de um Psicólogo. 
Há os casos em que o indivíduo não percebe o que está ocorrendo com ele, mas causa sofrimento ou incomodo aos que estão à sua volta. Por isso, a família e pessoas próximas precisam estar atentas às mudanças de comportamento do outro e se necessário, buscar ajuda. 
O mesmo vale para crianças. As crianças não pedem ajuda. Não expressam verbalmente seu sofrimento, mas expressam através de seu comportamento, da agressividade, de dificuldades de aprendizagem e para se alimentar, retraimento excessivo e problemas durante o sono - entre outros. 
A psicoterapia permite que o cliente compreenda a situação ocorrida e desenvolva repertórios adequados para lidar com o seu sofrimento.

 

Luciana Faria - CRP 06/84230
Psicóloga Comportamental

(19) 3461.8177
Rua Niels Nilsen, 140, Vila Medon - Americana