logotipo

Desperte o potencial do seu filho

DIEGO THULER

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Um método construtivista para seu filho ir mais longe. O uso da robótica, de tecnologia material e das artes tende a despertar e a transformar seu filho em um MAKER

Pedro acorda, no café da manhã, mistura seu leite com o misturador acionado por voz que ele mesmo projetou. Após o café faz os alguns ajustes na programação de seu último robô. Antes de sair opina no projeto do moinho da Ana e curte o vídeo do carro seguidor de luz do Lucas, em uma rede social.
Apesar da similaridade, este não é o roteiro de um episódio do Jimmy Neutron (ou Jetsons para os mais antigos). Pedro, Ana e Lucas são personagens fictícios, porém representam crianças comuns nos dias de hoje, conforme defendem os maiores especialistas em uso de tecnologia na educação. Para entender melhor o que estes especialistas “tão futuristas” defendem, incrivelmente precisamos voltar à metade do século passado.





Na década de 1940, Jean Piaget, “pai do construtivismo”, teorizou que o conhecimento deve ser construído pelo indivíduo. Duas décadas depois, Seymour Papert, adaptou os princípios de Piaget com o uso do computador como meio de construir o conhecimento. Na mesma década, nosso Paulo Freire, grande educador, acreditava que ler e escrever “empoderava” os cidadãos para se tornarem indivíduos ativos.
De volta ao início deste século, começa a se organizar o Movimento Maker, uma extensão mais tecnológica da cultura Faça-Você-Mesmo. Inicialmente uma “brincadeira de adulto”, tem sua base na ideia de que pessoas comuns podem construir, consertar, modificar e fabricar os mais diversos tipos de objetos e projetos. Nos EUA estima-se que 57% dos adultos já são Makers.
Mitchel Resnick, professor do MIT e discípulo de Papert, é defensor da aplicação do Movimento Maker na educação. Ele defende o ensino de programação para todos e critica fortemente a relação passiva - como usuários - dos jovens com a tecnologia, e faz o paralelo com Freire na alfabetização, de forma que os jovens devem ser capazes de se expressar pela tecnologia para serem cidadãos ativos.
O brasileiro Paulo Blikstein, professor na Universidade de Stanford e grande admirador de Freire e Papert quer transformar a educação no Brasil com estes mesmos princípios.

Porque isso é importante?

A capacidade das escolas em envolver os alunos se reduziu muito dado o excesso de exposição das crianças à tecnologia. Já o Movimento Maker criou uma base tecnológica de fácil uso, um material rico para a educação. Surpreendentemente os dispositivos citados no início do texto podem ser construídos por crianças e já é uma realidade. A Little Maker traz esta realidade para Americana: um laboratório Maker usando robótica, tecnologia e arte para potencializar o desenvolvimento de jovens e crianças a partir de seis anos. Não se trata de um conhecimento técnico, mas sim uma ferramenta pedagógica ampla com o uso de atividades semanais regulares.

Saiba mais:
Metodologia Little Maker: http://lt.mk/meto
Vídeo Mitch Resnick no TED: http://lt.mk/resnick
Vídeo Paulo Blikstein no TED: http://lt.mk/blik

 

Diego Thuler
Engenheiro Eletricista, Maker e apaixonado por educação



Little Maker - Laboratório Maker para crianças a partir de 6 anos
(19) 3013.1032
Rua Luiz Adami, 64, Vila Medon – Americana

www.lt.mk
www.lt.mk/face