logotipo

A importância da psicologia. O tratamento da mente e do corpo é indissociável

EMANUELE MENDES

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Quando ouvimos falar da psicologia, logo associamos a questões ligadas à mente, e mesmo com tantas informações muitas pessoas ainda acham que psicólogo é para “loucos” e desocupados.

Esse é um pensamento errado e antigo. A psicologia enxerga o ser humano como um ser uno, ou seja, a mente não pode ser desvinculada do corpo, sendo assim, é essencial a pessoa obter conhecimento de suas emoções e pensamentos para conseguir lidar com as situações do dia a dia.
A Terapia Cognitivo-Comportamen-tal é uma das linhas de atuação da psicologia, e é através desta abordagem que trabalhamos muito sobre pensamentos, emoções e comportamentos. Não se pode deixar de levar em conta que somos um organismo e que é através dele que esses eventos acontecem, sendo assim, acreditamos que os pensamentos influenciam as emoções, que por sua vez, influenciam os comportamentos e reações fisiológicas. Nessa somatização, por tudo aquilo com que não conseguimos lidar emocionalmente, o nosso corpo padece. Daí, adquirimos doenças. Enxaqueca, gastrite e outras doenças contraídas devido ao excesso de pensamento negativo, excesso de preocupações. A tese é a de que não são as situações ou eventos que definem como o sujeito sente ou agi, mas sim, a interpretação que é dada para esses eventos. Por isso a importância de conhecermos os tipos de pensamentos que temos frente os eventos por quais passamos.
Pensamentos funcionais positivos e motivadores reforçam bons comportamentos “Sou capaz de fazer isso”, ou, “posso aprender com meus erros”. Já os pensamentos disfuncionais negativos, nos desmotivam e consequentemente vem acompanhado de más emoções - “não vou conseguir”; “tenho medo de tentar”. Por esse raciocínio temos ainda os pensamentos sabotadores: “Estou de dieta, mas já que comi este bombom, não faz mal eu comer o restante que está na caixa”. Precisamos trabalhar as crenças centrais, que são ideias rígidas formadas desde a infância. Nós adultos devemos tomar muito cuidado com o que falamos para uma criança. As crenças envolvem a percepção de si, do mundo e do futuro. Não podemos calcar na mente de uma criança um “Sou incapaz”, ou um “Não sou perfeito”.
O modo como lidamos e conhecemos nosso corpo é fundamental, e cuidar do corpo requer cuidar da nossa mente – a psique. Para facilitar os estudos, a ciência separa as áreas de conhecimento sobre o ser humano. Na prática essa divisão não deveria acontecer. Mente e corpo estão ligados e para cuidar de um, não dá para esquecer-se do outro.   

 



Emanuele Mendes
CRP 06/109101
Terapia Cognitivo-Comportamental - Crianças/Adolescentes/Adultos
Pós-graduada e Especialista em Orientação Profissional
Testes em Orientação Profissional
Especialista em Terapia Infantil
Aplicação de testes WISC e WAIS
Auriculoterapia Francesa


(19) 3043.5646 | 99128.8837
Rua 12 de Outubro, 45
Santa Catarina - Americana/SP