logotipo

Vaidade em cirurgia plástica

Dr. Luis Felipe Conti

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

As próteses foram criadas na década de 60 pelos médicos americanos, Dr. Frank Gerow e Dr. Thomas Cronin, especificamente para aumento das mamas, coisa que é verdadeiro fetiche nos EUA.

Na década de 70 a empresa Dow-Corning criou o método industrial de sintetizar silicone de grau médico e manteve a descoberta em segredo, tornando-se a única produtora mundial do produto e das próteses por muitos anos.
Antes de 1965, o material que preenchia a prótese era líquido e poderia migrar para outros tecidos corpóreos em caso de rotura da prótese. Atualmente existe o gel de alta coesão, que não migra, ficando aglutinado na cápsula, mesmo em caso de rotura ou perfuração.
Quando se faz a colocação da prótese no ser humano, tanto acima como abaixo do músculo grande peitoral, o organismo reage ao corpo estranho (prótese) e forma uma cápsula cicatricial envolvendo a prótese. Esta cápsula normalmente é mais rígida nas próteses lisas e mais maleável nas texturizadas.
Um estudo sobre a possibilidade de a prótese induzir câncer de mama, feito nos EUA e Canadá, revelou que o grupo de mulheres com implante tinha 27% menos ocorrência do câncer. Outro aspecto importante é que os exames de imagem, como a mamografia, ultrassom e ressonância magnética permitem boa avaliação e diagnóstico preciso, mesmo com próteses de grande volume.
A rejeição crônica ou contratura capsular ocorre quando há um estímulo alergênico, levando a um aumento da dureza local e dores. Sabe-se que estatisticamente a contratura pode ocorrer entre seis meses e seis anos. Existe também a rejeição aguda onde o organismo produz células de pus e seroma estéril (sem infecção) para tentar expulsar ou extruir o implante.
Nas mulheres jovens pode-se afirmar que a prótese não interfere na lactação e amamentação, assim como também não altera a sensibilidade local.
Atualmente não se tem definido um tempo certo para a troca de próteses, porém existe a recomendação expressa de que se faça anualmente um exame de ultrassom preventivo.
A incisão (corte) para colocação das próteses pode ser pelo sulco mamário inferior, pelas aréolas ou axilas. A colocação endoscópica via umbilical somente é possível quando se usam próteses tipo expansoras, preenchidas com soro fisiológico. Porém, isto não é utilizado no Brasil - onde se dá preferência para as próteses de gel de silicone com consistência mais natural.
Caso você pretenda colocar próteses de aumento é de suma importância a avaliação de um profissional médico registrado na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica para se evitar transtornos desnecessários, seqüelas ou reparações.


 

Rua Costa Rica, 77 – Girassol, Americana
www.cliniplast.com.br