logotipo

O PORQUÊ DOS RISCOS DE QUEDA E FRATURA EM IDOSOS

ANDRÉ PARAÍSO FORTI

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

A sarcopenia, sua interação prejudicial com outras patologias, e a prevenção

Com o aumento da expectativa de vida, e a diminuição da taxa de fecundidade, a população idosa brasileira irá triplicar até o ano de 2050, resultando num crescimento de doenças relacionadas ao envelhecimento, como a sarcopenia.
A sarcopenia, também conhecida como síndrome da fragilidade, é altamente prevalente em idosos, que estão mais expostos ao risco de quedas, fraturas, incapacidades, dependência, hospitalização recorrente, e, mortalidade.
Essa síndrome é representada na vulnerabilidade fisiológica relacionada com a idade.
Dentre os indicadores da síndrome de fragilidade temos a perda de peso de forma repentina, especialmente de massa magra, temos o relato de fadigas, quedas frequentes, fraqueza muscular, diminuição da velocidade da caminhada, e redução da atividade física. Todos relacionados ao desempenho do sistema musculoesquelético no dia a dia.
Estima-se que, a partir dos quarenta anos, ocorra perda de cerca de 5% da massa muscular a cada década, com declínio mais rápido após os 65 anos, especialmente nos membros inferiores.
Com o avançar da idade é comum ocorrer deficiência na ingestão de alimentos, é a “anorexia do envelhecimento”, fator importante na progressão da sarcopenia, pior quando associada a outras comorbidades. E essa ingestão reduzida, de proteínas, ocasiona uma redução da massa e da força muscular, principalmente em mulheres na pós-menopausa.
Hoje sabemos bastante a respeito das causas e consequências desta síndrome. Nela ocorre a diminuição das fibras musculares, o que origina também uma alteração nos nervos que se conectam a tais extensões musculares.
Somam-se ainda alterações fisiopatológicas, como inflamação, resistência insulínica e estresse oxidativo. Isso quer dizer que diversas condições levam à sarcopenia e vice e versa, tais como a presença de outras doenças, o sedentarismo e a desnutrição. Como num ciclo vicioso, a sarcopenia vai consumindo a musculatura, reduzindo a capacidade de defesa e a reação natural do idoso.
​Portanto, temos que o uso de suplemento nutricional, completo e balanceado, a reposição hormonal, associados com atividade física regular e controlada, traz melhora na capacidade funcional das pessoas já na terceira e melhor idade. O combate constante à sarcopenia é um assunto extremamente importante, à medida que reduz os riscos de quedas e fraturas, por exemplo, garantindo uma independência e boa autonomia aos nossos idosos. Na CVO você dispõe de avaliação especializada e completa a cerca de como anda a saúde da sua estrutura ósseo muscular, e de orientação correta para viver a melhor idade em toda sua plenitude.



andreforti 


DR. ANDRÉ PARAÍSO FORTI

CRM 86903
Ortopedista, Traumatologista e Medicina Desportiva, Graduação PUCCAMP, Especialização e Pós-Graduação pela Escola Paulista de Medicina.