logotipo

PLASMA RICO EM PLAQUETAS

André Paraiso Forti

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Excelente tecnologia no tratamento multidisciplinar de lesões em cartilagens e músculos

O plasma rico em plaquetas – PRP - tem sido visto nos últimos anos como uma nova abordagem no tratamento de lesões na cartilagem, e, de problemas músculo esqueléticos nas diferentes regiões no corpo.

Por que as plaquetas? Quando nos ferimos ou nos lesionamos, uma das primeiras células a chegar para reparar são as plaquetas. As plaquetas são ricas em vários e diferentes fatores de crescimento. Esses fatores vão atrair outras células de reparação e essas células "trabalhadoras" então vão permitir a cicatrização tecidual.

Infelizmente, os tendões e os ligamentos tem um fornecimento/fluxo de sangue muito pobre, o que leva a uma resposta de cura incompleta ou muito retardada, lenta. Então, com o PRP, ajudamos a trazer essas células naturais de cura para uma área que tem irrigação deficiente, permitindo de fato que o corpo repare o tecido lesionado. Isso leva a uma redução da dor e retorno mais rápido às atividades da vida diária, e esportiva.

A regeneração em tendões, principalmente do ombro, é tratamento cada vez mais comum. Pacientes com joelho já com lesões graves, na cartilagem articular, evitaram a cirurgia de colocação de prótese - após uma aplicação de PRP. O paciente começa a sentir a melhora entre dois e três dias após a aplicação, e os sintomas vão melhorando por até um ano, aproximadamente.

A terapia tem ajudado muitos atletas lesionados no retorno à velha forma. O jogador de futebol Neymar, o tenista espanhol Rafael Nadal, ambos passaram recentemente por esse tipo de tratamento, com bons resultados. Atletas da NBA, a liga de basquete norte-americana, são pacientes frequentes, pelo esforço que exercem sobre os joelhos.

A preparação do PRP se dá pela centrifugação do sangue, sob condições controladas. Essa centrifugação visa obter um plasma com a maior concentração de plaquetas quando comparado com a contagem basal do sangue periférico/não centrifugado. É protocolo considerado muito seguro, eficaz e confiável.

Traz avanço promissor na diminuição do tempo da regeneração tecidual, é devidamente comprovado que o uso do PRP, uma técnica inovadora, pode e deve ser utilizado dentro do conceito da multidisciplinaridade voltada para o tratamento. É a aceleração na regeneração tecidual sem contraindicações, quando realizada por profissional especializado na técnica. Isso pode representar grandes benefícios na evolução da patologia.

 

andreforti 

DR. ANDRÉ PARAÍSO FORTI
CRM 86903
Ortopedista, Traumatologista e Medicina Desportiva,
Graduação PUCCAMP,
Especialização e Pós-Graduação pela Escola Paulista de Medicina.


cvo