logotipo

Excelentes resultados no tratamento cirúrgico de varizes

Luiz Baldini Neto

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Médicos e pacientes há muito tempo desejam tratamentos para varizes que possibilitem maior segurança e uma recuperação mais rápida, com menores efeitos colaterais.

Dores no pós-operatório, hematomas volumosos e inflamações que demoram a se resolver fazem com que a percepção da área tratada e a retomada das atividades domiciliares e profissionais fiquem comprometidas, não muito agradáveis. Torna-se então um pesadelo esquecer-se daquela cirurgia que seria realizada e rapidamente traria muita alegria.
Entretanto, para ajudar a resolver esses problemas procedimentos mais simples e consagrados no meio acadêmico da medicina já se encontram disponíveis no mercado e totalmente acessível para o cliente. Estamos falando da “termo ablação por radiofreqüência de veias safenas”. Um método minimamente invasivo, com poucos cortes e de cicatrização mais rápida, que consiste na colocação de um cateter dentro da veia safena através de uma única incisão de cerca de três milímetros, conforme se pode observar nas imagens ilustrativas



Por este cateter uma vez introduzido se libera uma energia capaz de queimar a veia, com precisão e segurança médica, fazendo com que a mesma não continue a prejudicar a circulação sanguínea pelo membro inferior. Este tratamento é realizado com o auxílio da ecografia vascular (ultrassom) que permite a visualização do cateter introduzido através da pele. Pode-se realizar o procedimento com anestesia local.

Na cirurgia tradicional de veia safena são necessárias no mínimo duas incisões que são realizadas com cerca de cinco centímetros cada uma. Por aí é retirada a veia através de um guia que será tracionado pelo médico. É inevitável um expressivo trauma no local e dor relativamente prolongada no pós-operatório. São reflexos do tratamento que vêm sendo minimizados com a implementação de novas técnicas médicas – o caso da termo ablação

 

 

Dr. Luiz Baldini Neto - CRM 100476
Graduação pela UNICAMP. Residência em Cirurgia Geral |Cirurgia Vascular e Angiorradiologia | Cirurgia Endovascular pela UNICAMP | Título de Especialista em Cirurgia Vascular pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV) | Título de Especialista em Angiorradiologia | Cirurgia Endovascular pela SBACV | Estágio em Cirurgia Endovascular no Hospital Montefiore Medical Hospital – New York – USA.

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 


Fontes :

1. Weiss RA, et al. Comparison of endovenous radiofrequency versus 10 nm diode laser occlusion of large veins in an animal model. Dermotol Surgery 2002;28:56-61. The study utilized a 980 nm laser.
2. Almeida JI, Kaufman J, Göckeritz O, et al. Radiofrequency endovenousClosureFast versus laser ablation for the treatment of great saphenous reflux: a multicenter, single-blinded, randomized study (RECOVERY Study). J VascIntervRadiol. 2009;20:752-759.
3. Lurie, F, et al. Prospective randomized study of endovenous radiofrequency obliteration (Closure procedure) versus ligation and stripping in a selected patient population (EVOLVeS Study), J VascSurg 2003; 38(2):207-14.
4.Proebstle T, et al. Three-year European follow-up of endovenous radiofrequency-powered segmental thermal ablation of the great saphenous vein with or without treatment of calf varicosities. JVS; July 2011.