logotipo

Dermolipectomia abdominal ou abdominoplastia

Denis Vincenzi

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Métodos e tecnologias aplicados por profissionais especializados trazem maior comodidade e o resultado esperado

A cirurgia estética do abdome é uma das mais realizadas no mundo. Estima-se que nos últimos dez anos houve um crescimento de trezentos e cinquenta por cento neste tipo de cirurgia.
A grande variedade de alterações da parede abdominal e o interesse em eliminar este problema proporcionou o desenvolvimento de variadas técnicas cirúrgicas continuadamente melhoradas para se atingir os melhores resultados com o mínimo de invasão e cicatrizes.
Atualmente a cirurgia de retirada de pele e ou gordura, associada ou não a lipoaspiração, divide-se basicamente em três grandes grupos, quanto ao tipo de incisão e cicatrização, a saber: 1) Transversal baixa ou horizontal; 2) Vertical ou xifo-pubica; 3) Combinada vertical e horizontal (T invertido). 
A ideia original foi de Demars e Marx, em 1880. Porém, apenas em 1910 as técnicas passaram a serem consideradas procedimentos estéticos isolados. Vernon, em 1957, foi o primeiro a combinar a cirurgia transversa com a transposição do umbigo e reforço da parede muscular, ou seja, daí a origem do verdadeiro embrião dos conceitos técnicos que prevalecem até hoje. 
Também em 1957 o Dr. Pitanguy descreveu e prescreveu o uso de cinta compressiva pós-operatória, o que elevou o padrão de qualidade no resultado da cirurgia plástica do abdome. As indicações para a cirurgia se fazem presentes para os casos de abdome em avental, para os casos pós-modernos de cirurgias de redução do estomago (bariátricas) - onde a grande redução da massa corpórea expõe sobras de pele tanto nas verticais como nas horizontais – dentre outras que também visam uma melhor qualidade de vida. 
A última, mas não tão recente grande novidade técnica, é a proposta pelo Dr. Saldanha que consiste na lipo-abdominoplastia em tempo único. Obviamente para determinados grupos de casos previamente estudados e aprovados. Evidentemente, como em qualquer outro tipo de cirurgia, estas também podem apresentar complicações cirúrgicas - anestésicas ou na qualidade cicatricial do paciente. Como regra, se trata de procedimento que transcorre com reduzido índice de dor e de imobilidade. 
A reabilitação é relativamente rápida quando apontados com propriedade todos os critérios envolvidos, quando aplicado o bom senso e empenho do profissional especialista. Vale sempre lembrar que ao escolher o médico cirurgião plástico é fundamental que o mesmo seja habilitado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Dr. Denis Vincenzi - CRM 53523
Cirurgião Plástico RQE 12615/91




(19) 3462.3069 | 3461.9097

Rua Costa Rica, 77 – Girassol, Americana
www.cliniplast.com.br