logotipo

Dor no ombro ou será dor em um músculo do ombro?

Fabio Nagato Watanab

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

As lesões no manguito são relativamente raras antes dos quarenta anos, mais presentes entre os cinquenta e sessenta, e com maior incidência após os setenta anos

O manguito rotador é um com-plexo de quatro músculos que se unem para formar um grupo de tendões, que por sua vez envolvem a cabeça do úmero, no ombro.
Fazem parte do manguito rotador os músculos subescapular, supra-espinhal, infra-espinhal e redondo menor.
Esses músculos (e seus respectivos tendões) promovem uma variedade de movimentos do ombro. Eles são responsáveis pelos movimentos de rotação do braço, pela estabilização do ombro, pelo equilíbrio muscular e trabalho adequado desse ombro.
A degeneração do manguito
A principal causa de lesão do manguito é a própria degeneração por envelhecimento, além de lesão por trauma ou o atrito ósseo. As lesões no manguito são relativamente raras antes dos quarenta anos, mais presentes entre os cinqüenta e sessenta, e com maior incidência após os setenta anos.
A ruptura do manguito pode ocorrer aos poucos ou em massa. A partir do rompimento inicial a lesão tende a se agravar progressivamente, pois ela não se cicatriza espontaneamente.
Com a progressão da lesão, ocorre atrofia, degeneração gordurosa dos músculos, retração e perda da elasticidade dos tendões. Em certos casos, estes fatores são irreversíveis.

Quadro clínico
Os principais sintomas são dor, dificuldade para movimentos, fraqueza, instabilidade e sensação de atrito. É comum a dor piorar durante a noite. Muitos pacientes têm dificuldade para dormir. A dor pode ser intensa e incapacitante para atividades profissionais e habituais, tais como lavar a cabeça, tirar a roupa, escovar os dentes e etc.

Tratamento
O tratamento depende da extensão da lesão e dos sintomas. Pode ser conservador ou cirúrgico.
Para lesões parciais, inicialmente o tratamento é conservador, e consiste em reabilitação da região com exercícios para recuperação dos movimentos e da força, medicação analgésica e antiinflamatória, e em casos de dor intensa, infiltrações com anestésicos e corticóides. Para as lesões completas e sintomáticas, o tratamento cirúrgico é o mais recomendado, tanto para que se obtenha a melhora da dor, quanto para se evitar a progressão natural da lesão. Neste caso existem dois tipos de cirurgia: o reparo aberto e o reparo artroscópico.
O reparo artroscópico é uma cirurgia minimamente invasiva, realizada por furos na pele e introdução de uma câmera de vídeo em formato de um tubo fino. Toda a cirurgia é feita com instrumentos especiais introduzidos por outros orifícios. As vantagens dessa cirurgia são o mínimo dano muscular, o menor risco de complicações tipo infecções e deiscência de suturas, dentre outras.
Qualquer que seja o método da cirurgia, o objetivo é o mesmo: fixar o tendão rompido ao osso do qual ele se soltou para melhorar o conforto e a função do conjunto muscular desse ombro.


 

Dr. Fabio Nagato Watanabe - CRM 106502 TOT 9686
Membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia
Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Ombro e Cotovelo
Especialista em Cirurgia de Ombro e Artroscopia


(19) 3407.5001 | 3407.8049
Rua Chile, 689, Frezarim - Americana