logotipo

A perda do volume facial

MARINA FELCA B. DE ANDRADE

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Com o passar do tempo algumas perdas ósseas e de gorduras afetam regiões que não gostaríamos que fossem afetadas

Não é de conhecimento de muitos que as maiores mudanças no contorno da face, decorrentes do envelhecimento, são devido à perda de pequenas áreas de gordura e da diminuição de material ósseo do rosto. A transformação destas duas estruturas, que sustentam e mantêm a tridimensionalidade da face, faz com que o rosto adquira formas mais quadradas, perdendo o formato triangular que remete à juventude.
A principal área de gordura afetada está na parte abaixo da região dos olhos - bochecha. Os olhos ficam cada vez mais fundos e as olheiras e bolsas mais proeminentes. As regiões anteriores às orelhas e a região inferior da face, o “bigode chinês”, também são alteradas pela diminuição desses tecidos.
Há pacientes que aos trinta anos já apresentam indicação de tratamento. Outras, aos quarenta ainda mantém o mesmo volume facial. Além dos fatores genéticos, da rotina, dos hábitos alimentares e da exposição ao sol, a forma do rosto é um dos fatores que contribuem para a mudança do formato e velocidade do envelhecimento de cada pessoa.
O primeiro sinal da perda de volume facial geralmente apresenta-se com um aumento da distância entre a borda dos cílios da pálpebra inferior até a transição para a bochecha – as temidas “olheiras”. Esse afundamento da região inferior dos olhos pode significar um alerta para que iniciemos um tratamento focado na manutenção dos contornos da face, independentemente da idade da paciente.
Cada vez mais os procedimentos pouco invasivos estão ganhando destaque nos tratamentos do rejuvenescimento. A evolução desses tratamentos proporciona resultados cada vez mais naturais e com um tempo de recuperação mais rápido que um procedimento cirúrgico. O aprimoramento dos produtos e técnicas levam a resultados mais duradouros. As modificações são sutis, e podem passar despercebidas aos olhos de terceiros. É como se os pacientes voltassem a apresentar o rosto descansado, que foi se perdendo com o passar dos anos.
O ácido hialurônico é um dos preenchedores indicados para restabelecer essas áreas de perda de volume. Traz resultados naturais e tem tempo de recuperação relativamente pequeno. Os resultados são imediatos e melhoram após trinta ou quarenta dias. A pele adquire mais viço e há um efeito lifting decorrente da hidratação local.
Outro produto utilizado é a hidroxiapatita de cálcio. Restaura o volume e estimula a produção de colágeno, trazendo mais resultados a longo prazo decorrente da bioestimulação.
Por fim, sempre é preciso ressaltar que para alcançar essa naturalidade nos resultados, é preciso repor apenas o volume que foi perdido com a idade, evitando o exagero que foge do natural.


 

Dra. Marina Felca Beirigo de Andrade - CRM 116.710
Cirurgiã Plástica Estética e Reparadora

(19) 3406.1411 | 3407.1669
Rua Panamá, 119, Frezarim – Americana