logotipo

Tumores malignos da pele

Denis Vincenzi

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Cuidados muito específicos devem ser tomados quando a pessoa é acometida de um dos três principais tipos de cânceres de pele. Qualquer suspeita deve ser avaliada e a celeridade no tratamento pode amenizar os efeitos físicos e psicológicos.  

 O carcinoma basocelular, que é o mais benigno dos malignos, possui atividade delimitada à área atingida, porém apresenta elevado poder destrutivo celular. É o mais freqüente e soma 70% do total dos casos de multiplicação celular desorganizada. A região da face é a mais atingida. Esse tipo se faz presente principalmente em pessoas de pele clara, que se expõem em demasia ao sol. Tem presença rara nas pelas negras e nas idades inferiores aos quarenta anos. Já o carcinoma espinocelular é o responsável por 15% das lesões malignas da pele, apresenta um crescimento rápido e aparece em 60% dos casos na região da face. Pode apresentar lesões à distância – metástases - e é muito mais agressivo quando presente em pessoas jovens. E, o câncer do tipo melanoma que é a estrela alfa da constelação da malignidade, com excepcional gravidade e alta taxa de mortalidade. Metade dos casos se originam através de nevus – pintas ou verrugas – preexistentes na pele. Na maioria das vezes esse tipo de câncer é fortemente pigmentado, preto-azulado, porém, em 15% dos casos não há presença de cor que o diferencie, são os melanomas amelanóticos. 

O fator ambiental mais importante que estimula a desorganização celular é a exposição solar, depois fatores genéticos e por último a falta ou pouca pigmentação na pele – pessoas muito brancas. A propagação do câncer pelo corpo – metástases – pode ocorrer por via sanguínea, linfática, de forma radial e ou vertical pela pele. O tratamento de todos é essencialmente cirúrgico e a complexidade cirúrgica depende da extensão e gravidade das lesões, assim como sua localização.
Quanto ao melanoma, o mesmo tem resposta incipiente ante a quimioterapia e a radioterapia. Nesses casos a imunoterapia é o melhor adjuvante ao tratamento cirúrgico, apresentando expressivo aumento da sobrevida.
Assim, a sociedade médica adverte que as lesões em áreas de atrito, como barba, locais de depilação, alça de soutiem, golas de camisa, cinto de calças e também couro cabeludo, planta dos pés, abaixo ou na borda de unhas e mucosas, devem ser analisadas por médico especialista. Se necessário for, serão ressecadas e biopsiadas.
Para a população como um todo não é mais admissível banhos de sol em horários impróprios, ou ainda o exercício de atividades laborais sem o uso de fotoprotetores potentes - acima de 30 FPS.




Dr. Denis Vincenzi
- CRM 53523
Cirurgião Plástico RQE 12615/91

(19) 3462.3069 | 3461.9097
Rua Costa Rica, 77 – Girassol, Americana
www.cliniplast.com.br