logotipo

Substância ativa: TOXINA BOTULÍNICA

DENIS VINCENZI

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em StumbleuponCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Marcas: BOTOX, DYSPORT e outras

Em 1817 o médico alemão Justinus Kerner, publicou seus estudos sobre a doença botulismo - o resultado da ação da toxina botulínica excretada pela bactéria Clostridium Botullinum quando invade o hospedeiro humano. O botulismo ocorre da ingestão de alimentos contaminados ou mal esterilizados, como por exemplo, enlatados e embutidos. É uma doença com alto potencial de letalidade e deve ser considerada uma emergência médica. Os sintomas são semelhantes aos de uma paralisia progressiva, com morte pela paralisia do diafragma – uma parada respiratória.
Em 1978 a toxina botulínica purificada e atenuada foi aplicada em humanos em um tratamento para o estrabismo, pelos canadenses Dr. Scott e Dra. Carrhuters, que notaram uma expressiva melhora das rugas perioculares em alguns pacientes. Dessa percepção científica, a aplicação da toxina evoluiu para os tratamentos da cosmetologia. Em 1995 utilizou-se também a toxina, com sucesso, para o tratamento das hiper-sudoreses.
Hoje, as doses usadas para fins cosméticos são em média trinta vezes inferiores àquelas que podem causar uma doença, o que representa um expressivo grau de segurança na sua aplicação nesse segmento da saúde.
Os tratamentos cosméticos composto com a toxina, amplamente testados e aprovados, são utilizados para o tratamento de rugas da testa e do franzir a testa (testa de professor), rugas perioculares (pé de galinha), levantamento das sobrancelhas, sorriso de coelho (região nasal), levantamento dos cantos da boca (boca triste), rugas horizontais do pescoço, sorriso gengival, hiperhidrose axilar e palmar, e, vaginismo.
Esta toxina age interferindo na junção neuro-motora dos neurônios, impedindo seletivamente o movimento muscular e com isso tem-se o relaxamento da pele, e no momento seguinte o aplainamento da ruga.
O efeito na aplicação não é imediato. A toxina botulínica tem que competir com os neurotransmissores naturais e pode levar de quatro a dez dias para aparecer. Seus resultados também não são definitivos e duram em média de três a oito meses, dependendo da concentração empregada. A aplicação é feita em consultório, sem preparação prévia, usando-se de micro agulhas, tipo insulina, o que ameniza em muito a dor no local.
Resta atentar-se para o fato de que a aplicação segura pede a procura por um especialista. A aplicação em locais errados, de forma mal dimensionada, pode causar a queda das pálpebras (olhos de bêbado) e até a visão dupla por algumas semanas.

 



Dr. Denis Vincenzi - CRM 53523
Cirurgião Plástico RQE 12615/91


(19) 3462.3069 | 3461.9097
Rua Costa Rica, 77 – Girassol, Americana
www.cliniplast.com.br