logotipo

A ciência computacional e a cirurgia ortopédica

JOSÉ LUÍS A. ZABEU

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em StumbleuponCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Saiba mais sobre como obter resultados mais naturais após traumas envolvendo a estrutura óssea. É a informática colaborando com a ortopedia.

Nestes tempos de progressos tão incríveis na ciência, uma ferramenta que chegou para ficar é a possibilidade da correção de deformidades ósseas através de equipamentos que associam fixadores externos e programas de computador.
São muitas as causas de um osso estar deformado: problemas congênitos, fraturas, infecção, tumores e outros.  Quando isto acontece, surgem deformidades cosmeticamente desagradáveis e funcionalmente incapacitantes, principalmente nas pernas e braços.
Quando um osso longo, do tipo fêmur, tíbia ou úmero, necessita ser alongado, deve ser usado o fixador externo, a chamada “gaiola”, que se prende ao osso através de fios e pinos, conectados a uma estrutura externa, circular. O cirurgião faz o planejamento e monta a estrutura, programando passo a passo a correção. Quando a deformidade é muito complexa, com desvios de rotação, angulação e com encurtamento, o cálculo desta correção se torna muito difícil, e o resultado nem sempre é o desejado, sendo necessárias múltiplas anestesias e cirurgias. Um bom exemplo é uma fratura de tíbia - osso da perna - decorrente de um acidente de moto, cujo tratamento tenha levado a um encurtamento de 5 cm, com uma angulação do osso para frente e o pé rodado para fora. Isto causa dor no tornozelo, joelho e na coluna, faz a pessoa mancar, e, esteticamente causa grande desarmonia no formato corporal. A correção tradicional pode levar mais de um ano, e múltiplos procedimentos podem ser exigidos.
Há alguns anos têm sido desenvolvidos softwares e equipamentos que permitem o auxílio do computador na condução destas correções. O chamado “fixador externo hexapodal”, que segue o mesmo princípio dos simuladores de vôo - duas plataformas conectadas por seis pistões - é capaz de corrigir de modo progressivo e otimizado as deformidades por vezes muito complexas. O cirurgião monta o aparelho no paciente, informa ao computador as características da deformidade, seus objetivos, e o software gera a orientação de como o paciente deve manusear o fixador ao longo dos dias. A natureza reage a esta manipulação dos tecidos, formando osso novo e alongando músculos, vasos e nervos. A pele também se adapta. A correção da deformidade ocorre de modo progressivo, monitorado por radiografias e pelo aspecto clínico do membro tratado.  Isto tem permitido correções muito exatas, em menos tempo e com menor grau de dor e sofrimento. É tecnologia computacional de fato a favor do ser humano.



Dr. José Luís A. Zabeu - CRM 63209.
Ortopedista especializado em correção de deformidades
e cirurgia do joelho e quadril
Docente da Faculdade de Medicina da PUC-Campinas
(19) 3405.8083 | 3604.8083
Av. Brasil, 1500, Sala 206, Edifício Miami, Frezarin - Americana