logotipo

Celulite. Um aspecto indesejado

AMARILHO SOARES JUNIOR

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em StumbleuponCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Você pode experimentar, pode se lançar num protocolo híbrido e bastante eficaz para combater esse edema

O tão famoso aspecto de casca de laranja visto em geral na região das pernas, glúteos e abdômen é muito temido pelo público feminino, uma vez que são as mais acometidas e pelo prejuízo social que sofrem com isto. É algo que muitas vezes as levam a readequar o guarda-roupa, se privando de determinadas vestimentas, na tentativa de camuflar o problema.
As celulites são indevidamente assim chamadas por consagração popular que receberam, contudo, este processo infeccioso na pele tem o nome correto de “Lipodistrofia Ginecoíde”.
Sua origem não é muito clara, mas há um consenso entre especialistas que afirmam ser uma série de fatores associados. Para nós, basicamente, existe o edema no tecido conjuntivo - logo abaixo da pele - gerado por uma alteração na microcirculação venosa e linfática, existe a ação hormonal e gordura ali presente. O edema se torna crônico ao longo do tempo, levando a formação de uma fibrose tecidual - o chamado aspecto de casca de laranja. Varia ainda, o grau da lipodistrofia, conforme o acúmulo de receptores hormonais e apócitos. O tabagismo, anticoncepcionais, gestação e opções alimentares também podem agravar o quadro.
Por se tratar de um problema crônico devemos ter em mente que não existe ainda hoje um tratamento que regularize esta situação por completo. É preciso que aja uma boa conversa com a paciente antes de se iniciar qualquer protocolo.
De cara, o tabagismo deve ser extinto, uma vez que agride a microcirculação, com a vasoconstrição periférica e o aumento da retenção dos líquidos locais. A introdução da prática de exercícios físicos é fundamental, é benéfica por tonificar os músculos e favorecer a drenagem linfática.
O tratamento mais básico deve incluir a drenagem linfática, manual ou por aparelhos de massagem, ou o ultrassom. Esta endermologia promove melhora da drenagem linfática, bem como auxilia na remodelagem corporal. O ultrassom, junto a gel com ativos, já tem seu uso consagrado nestes protocolos por melhorar a uniformidade do local tratado.
Como dica, de um médico pós-graduado em dermatalogia, sugerimos uma drenagem linfática no início da semana, seguindo com o uso do ultrassom por alguns dias – com gel enriquecido com ativos, do tipo cafeína, centella asiática, arnica, gengibre, ginkgo biloba e castanha-da-índia, e, sempre finalizando com massagem modeladora.
Este ciclo semanal deve ser realizado por um período médio de, ao menos, seis semanas, para que surtam efeitos realmente satisfatórios.


Dr. Amarilho Soares Junior
CRM 157417
Médico pós-graduado em Dermatologia