logotipo

Artrite reumatoide

MICHELE LEITÃO CANTARELLA

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

É plenamente possível obter o controle total da doença e de suas consequências

Dentre as doenças reumatológicas a Artrite Reumatoide - AR está entre as mais conhecidas e temidas pela população.
É uma doença inflamatória crônica autoimune, ou seja, o sistema imunológico que é responsável pela defesa do nosso corpo contra infecções passa a atacar o próprio organismo, no caso, o tecido que envolve as articulações, causando a sua inflamação.

A história familiar de artrite reumatóide pode acentuar o risco de se desenvolver a doença, uma vez que a genética é o principal fator para seu aparecimento. O tabagismo, a exposição ambiental a poluentes e os fatores hormonais também podem predispor a pessoa à AR.

O principal sintoma é a inflamação das articulações – a denominada artrite, tornando-as inchadas, quentes, avermelhadas e dolorosas, acompanhadas por rigidez para a movimentação, logo pela manhã. Acomete os dois lados do corpo, principalmente as mãos, punhos e pés, evoluindo para articulações maiores como cotovelos, tornozelos, joelhos, ombros e quadris. Sem o tratamento adequado a evolução é progressiva, causando desvios e deformidades, por ou devido à rotura ou afrouxamento de tendões, e erosões articulares, que podem levar à incapacidade física. O diagnóstico precoce e o início do tratamento adequado proporciona maior e melhor resposta.

Os medicamentos que controlam a AR são chamados de modificadores e controladores da doença, e podem ser sintéticos ou fabricados por engenharia biológica. A artrite reumatoide não tem cura, o tratamento é contínuo e tem como objetivo o controle total da doença, a sua inatividade, sem dor ou inchaço das juntas, e a normalização nos exames laboratoriais.

Os constantes avanços na área da imunologia e da biologia molecular possibilitam melhorias no diagnóstico e tratamento, com drogas mais eficientes, que induzem o desaparecimento dos sinais e sintomas da doença, evitando o dano permanente da articulação. O papel do reumatologista é essencial no diagnóstico precose e tratamento dos pacientes com AR, uma vez que esse é o especialista mais familiarizado com a doença. 


 

Dra. Michele Leitão Cantarella
CRM 109049
Reumatologista