logotipo

Conheça a Crioescleroterapia

Luciana Marcolino Forti

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Quem não tem o sonho de acabar com aqueles vasinhos e micro varizes indesejáveis, e poder colocar uma saia sem ter vergonha das próprias pernas? 

A Crioescleroterapia veio para revolucionar os antigos métodos de combate aos vasinhos que tanto incomodam, não só as mulheres, como os homens também. Um tratamento quase indolor, simples e inovador.
A vantagem principal da Crioesclerote-rapia é que, neste procedimento, o medicamento que será aplicado, está congelado a 40 graus negativos. Desta forma, o paciente percebe melhor os resultados, pois a baixa temperatura anestesia a pele e a aplicação se torna quase indolor, além de não sangrar e não pigmentar a pele.
Segundo a diretora clínica e cirurgiã vascular da CVO Clínica Vascular e Ortopédica Ltda, os vasinhos que passam pela Crioescleroterapia não voltam mais. “Diferentemente do que muitas pessoas pensam, após o tratamento, os vasinhos são cicatrizados e absorvidos pelo organismo”, esclarece. A Crioescleroterapia é diferente dos outros tipos de tratamentos para erradicar os vasinhos. 
Os procedimentos mais antigos são à base de glicose que, por meio da aplicação na veia, podem provocar manchas na pele e, também, trazer dor ao paciente, além do fato de terem custos altos, como o que ocorre no caso do tratamento a laser.
O procedimento de aplicação da Crioes-cleroterapia acontece sob anestesia local, para evitar que o paciente sinta dor. Logo após o procedimento, o paciente está liberado para suas atividades rotineiras e pode retomar sua vida normal.
Outro aspecto que deve ser ressaltado é a prevenção, já que não há medicamentos para varizes e vasinhos. “Existem formas de prevenção, como as meias para o inchaço, o controle de peso, evitar ingestão de medicação à base de hormônios assim como o calor da depilação com cera quente, e, praticar caminhada uma vez que a musculatura das panturrilhas funciona como um segundo coração”, conclui a cirurgiã vascular e angiologista Luciana Marcolino Forti.

Dra. Luciana Marcolino Forti
CRM 89117
Angiologia e Cirurgia Vascular 
Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular