logotipo

COMER SEM CULPA, EM BUSCA DO EQUILÍBRIO, É POSSÍVEL?

REGINA CÉLIA DE ARAUJO GARCIA | GRASIELA MARCHIORI

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

A proposta é fazer uma reflexão um pouco mais profunda

Você vem tendo dificuldade em gerenciar o seu peso? Vive brigando com a balança, insatisfeito com o espelho, repete frequentemente atitudes compulsivas, sente culpa, frustração e não sabe como lidar com essas emoções e sentimentos?
Já reparou como suas emoções têm relação com a alimentação?
Muitas vezes as emoções influenciam nas escolhas, a ponto de gerar uma culpa por algo que você fez ou deixou de fazer. Parece um bicho de sete cabeças crescendo por dentro, consumindo toda a energia, que o faz sentir-se esgotado, desvitalizado e sem forças para mudar esse quadro.
Nós, Grasiela Marchiori e Regina Garcia, nutricionista e psicóloga, refletimos sobre essas questões tão comuns na prática clínica, e, durante uma sessão de terapia surgiu a ideia de estruturar um grupo de apoio, de autoajuda. Um encontro para que pessoas, juntas, pudessem compartilhar suas experiências e estudos sobre a alimentação, sobre o papel da nutrição comportamental e do autoconhecimento emocional, dentro de um olhar técnico, porém com mais humanidade, amor e acolhimento.
Queremos que você reflita.
Seria interessante compreender os diversos aspectos relacionados, através do autoconhecimento, descobrindo realmente como você se sente, o que de fato é importante em sua verdadeira identidade, e então, poder decidir e assumir o controle da sua vida?
Sabemos que os alimentos suprem fisiologicamente e satisfazem nossas necessidades corporais e orgânicas, assunto amplamente estudado, mas, ainda de difícil compreensão. Pois, quem de nós nunca criou alguma relação afetiva com a comida?
O que observamos em casos clínicos é que o estado emocional influência nas escolhas alimentares, tanto no consumo excessivo e abusivo de alguns alimentos quanto na rejeição por outros. Daí os transtornos alimentares e problemas de saúde. Em muitos casos a comida também serve como fuga para alguns problemas, preencher o vazio emocional, aliviar as tensões, como recompensa e prazer, e também para se livrar de algum sentimento muito difícil de suportar - “Eu preciso de algo, mas não sei bem o que é”. Buscamos no alimento o que acaricia internamente, e conforta as necessidades da alma.
Desde que nascemos estabelecemos relações afetivas com o alimento, essas relações moldam nosso comportamento. Se você é bonzinho tem que comer de tudo, criança que não come bem preocupa os pais.
E mais tarde, na vida, uma vez assimilados esses gestos e rituais de carinho, isso passa a afetar nossas relações. Quando nos sentimos tristes muitas vezes comemos para nos consolar, quando estamos felizes comemos e bebemos para comemorar, quando alguém faz um grande feito presenteia-se com bombons. Tudo que fazemos envolve estar próximo do alimento. Então, o alimento nos envolve por vários aspectos, físico, mental, emocional afetivo, espiritual, energético, etc. Por isso é tão difícil consolidar mudanças nos hábitos alimentares, que precisa ser compreendida levando em conta todos os aspectos do ser humano.
Atualmente vivemos num mundo de muitas cobranças, internas e externas, muitas delas relacionadas à autoperformance, e estamos cada vez mais distantes da percepção das nossas verdadeiras necessidades emocionais. Por isso estamos tão ansiosos e angustiados. Muitos de nós transitam sem o perceber de uma condição essencial, a de “comer para viver”, e passamos a “viver para comer” - sem nos darmos conta de que “criamos” uma situação de vício, de dependência alimentar.
Quantas pessoas estão depressivas, manifestando transtornos psicológicos porque se sentem perdidas de si mesmas?
Assim, os encontros para reflexão têm extrema importância para resgatar as verdadeiras necessidades reais, propiciar o autoconhecimento, quebrar o ciclo de infelicidade. Para desenvolver a autonomia, e ser capaz de fazer as escolhas mais adequadas e equilibrar os aspectos desarmonizados. Amadurecer com saúde, ter vitalidade e desfrutar da vida – esse é o ponto.

Como funciona o grupo de apoio

No grupo, as profissionais fundem o conhecimento sobre a alimentação com o caminho das emoções e sentimentos relacionados com o ato de comer. Inicialmente, se desenvolveu um projeto piloto com um grupo de pessoas. Foram aplicadas técnicas de mindful eating, relaxamento, respirações, meditação guiada, trabalhos corporais - resignificando expressões apontadas pelos participantes. Tudo isso para uma melhor compreensão de sua verdadeira necessidade, para escolher e conseguir um alívio emocional e uma forma mais consciente de se alimentar. Experiência gratificante, que continua a partir de julho de 2018, com um grupo regular.Os grupos são reduzidos e com encontros semanais, com duração de aproximadamente uma hora e meia, acompanhados da psicóloga Regina Garcia e da nutricionista Grasiela Marchiori. Não possui desafios, nem metas, é um trabalho de autoconhecimento, compartilhamento de necessidades, apoio e orientação, no sentido de se aproximar da autonomia nutricional e afetiva.
E ainda, resgatar o amor pelo ato de cozinhar, como um ato de amor para si, de valorizar a alquimia produzida na cozinha, de degustar as receitas preparadas com carinho, com novos alimentos e preparos. Os encontros são para encantar os corações e alegrar a alma – com comida!
O grupo favorece a quebra dos padrões alimentares adquiridos e a mudança de comportamento, com uma compreensão íntima das razões da nossa mente e do nosso coração.
É preciso estar disposto a se olhar intimamente, se conhecer, para poder romper com as crenças limitantes, para trabalhar o amor próprio e a aceitação - chaves para uma mudança efetiva.

Objetivos do grupo Nutrir&Alma

O trabalho do grupo visa levantar o que gera a ansiedade, quais sentimentos influenciam os hábitos alimentares. Mudança não é fácil, por isso o acompanhamento para esclarecer melhor os conceitos sobre alimentação e dietas, evitando os julgamentos, as críticas e as idealizações, na busca da autoaceitação e uma boa autoestima para uma mudança natural com alimentação equilibrada e prazerosa. É desenvolver a capacidade de compreender a relação mente, corpo e alimento. É resgatar o prazer em viver, saborear, experienciar coisas novas, amando o como somos. “Mudar o que é possível potencializando o seu melhor, comer sem culpa em busca de um equilíbrio”.


Depoimentos

Ter dividido experiência com outras pessoas... eu achava que somente eu passava por aquilo... isso me deu forças para acreditar mais em mim... ter o conhecimento das diferenças de sabores de alimentos e o verdadeiro balanço nutricional... me abriu um leque de opções e curiosidades de saber cada vez mais... foi incrível.

Carla Móia, 32 anos, assistente de distribuição.


Participar desses encontros foi uma experiência bem gratificante... diretamente ligada ao emocional. Pude tomar conhecimento... usar as técnicas de respiração para controlar a ansiedade, escolher melhor os alimentos, consumir menos industrializados, experimentar coisas novas! Ah! a aceitação de tudo que você é e faz... Obrigada por esta oportunidade!

Silvane Hubie Moraes, 41 anos, engenheira florestal e mãe.


Meus dias sempre foram corridos e o caos prevalecia em minha rotina... tentava emagrecer e não entendia o motivo de não conseguir... cheguei a tomar remédios, chás e algumas dietas malucas. Participar do grupo fez toda a diferença... resolvi me aventurar na cozinha... lugar que eu nunca frequentava, kkk... Em 40 dias veio o resultado 4,8kg a menos na balança, 2 provas de corrida completas...

Débora Azevedo, 36 anos, analista financeira.

reginaceliagarcia

REGINA CÉLIA DE ARAUJO GARCIA
CRP 06/91858
Psicóloga

Cursando Especialização em Biossíntese pelo Ligare em Americana/SP, filiado ao IABSP (Instituto de Análise de Bioenergética de São Paulo – Filiado ao IIBA – International Institute for Bioenergetic Analysis-Suíça). É uma das
abordagens da Psicoterapia Somática, que já vem sendo chamada de terapia do futuro. Formação em TRE (Tension & Trauma Releasing Exercises) técnica inovadora e eficaz no trabalho do estresse. Especialização em Análise Bioenergética pelo Ligare em Americana/SP, filiado ao IABSP (Instituto de Análise de Bioenergética de São Paulo – Filiado ao IIBA – International Institute for Bioenergetic Analysis-Suíça).  Graduada em Psicologia pela Faculdade de Americana/FAM, 2007.

(19) 99754.2002


grasielamarchiori

GRASIELA MARCHIORI
CRN3 12.349
Nutricionista

Especialização em Fisiologia, Bioquímica, Treinamento e Nutrição Esportiva pela UNICAMP, 2007 Pós Graduada em Fitoterapia Funcional, pela Universidade Cruzeiro do Sul, 2017. Graduada em Nutrição pela UNIMEP Piracicaba, 2001.

(19) 99123.8485
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.


nutriralma