logotipo

A delícia mais deliciosa... Eu quero chocolate!

Elaine Wiezel Bacchin

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Prolonga a sensação de bem estar de forma natural, traz um prazer enorme, chega a encantar – mas deve ser dosado como em qualquer dieta, de acordo com sua individualidade bioquímica

Produzido a partir da massa do cacau (theobroma cacao), o chocolate tem se destacado dentre a comunidade científica por se apresentar como um alimento benéfico para a saúde. A qualidade e a quantidade de gordura presente no chocolate podem variar. Quanto mais amargo o chocolate, menos gordura, mais cacau e maiores os benefícios nutricionais por conta dessa maior porcentagem de cacau que ele traz. Os tipos de chocolate existentes no Brasil, em geral, são:

Chocolate branco - é o que não tem cacau e tem mais açúcar e gordura. Não faz bem a saúde.
Chocolate ao leite - mais gordura saturada e açúcar, ficando com apenas 16% de cacau.
Chocolate meio amargo - é o que tem de 40 a 55% de cacau, pouca quantidade de manteiga de cacau, de gordura e açúcar.
Chocolate negro ou amargo - é o que tem mais cacau, entre 60 a 85%, e menos açúcar e gordura.
Estudos indicam que o consumo regular de chocolate amargo, com suas altas concentrações de compostos bioativos como flavonóides e polifenóis, neutraliza os radicais livres do nosso organismo, reduzem as concentrações do colesterol ruim e aumentam o colesterol bom, além de reduzir a pressão sanguínea, contribuindo para a prevenção de doenças do coração. Tem comprovada ação anticarginogênica.
O chocolate amargo pode possuir 3600ug de polifenóis do cacau e o chocolate ao leite 100ug (por 100 gramas de chocolate), são estes polifenóis que ajudam na prevenção da doença. Outros estudos demonstram que ao comer chocolate com alto teor de cacau (60 a 80%) tem elevação nos níveis de serotonina, dopamina e feniletilamina no cérebro, levando-se à sensação de bem estar e melhora do humor - principalmente nos momentos de ansiedade e TPM.
Apesar dos benefícios do cacau, ainda não há um consenso sobre a quantidade recomendada de ingestão - alguns estudos sugerem 30 gr/dia, evitando sempre o branco e preferindo o de maior teor de cacau. Os efeitos proporcionados direta ou indiretamente pelos chocolates estão associados a uma dieta equilibrada e a individualidade bioquímica de cada um.

Câncer

As procianidinas, presentes no cacau, possuem propriedades antioxidantes, protegem as células das degenerações

Bem estar

O cacau aumenta a produção da endorfina e da dopamina, relacionadas ao relaxamento

Saúde do coração

Melhora o fluxo arterial e faz bem à saúde cardiovascular por diminuir a tendência de coagulação das plaquetas e de obstrução dos vasos sanguíneos. Ajuda a diminuir os níveis de LDL (colesterol ruim). Também auxiliam no controle da pressão arterial

Melhora o funcionamento cerebral

As epicatequinas protegem as células nervosas

Pele

O chocolate é um aliado da beleza também. Está presente em banhos de ofurô, massagens, máscaras e outros cosméticos. Além do alto poder hidratante, o produto combate os radicais livres, evitando a oxidação das células

Relaxamento e humor

O magnésio , a feniletilamina e o triptofano, tem efeito direto sobre o humor e relaxamento 

TPM

A elevação nos níveis de serotonina, dopamina e feniletilamina no cérebro leva à sensação de bem estar e melhora do humor, principalmente nos  momentos de ansiedade e TPM

Desvantagens

• Ganho de peso se consumido em excesso - sobretudo chocolates com maior teor de gordura
• Assim como os queijos envelhecidos e os vinhos, o cacau possui aminas vasoativas, que podem provocar
dilatação das veias cerebrais - provoca dor de cabeça
• Rico em oxalato, pode aumenta a propensão a cálculos urinários
• A arginina que melhora a circulação sanguínea pode aumentar a replicação do vírus da herpes - em pessoas que
possuem o vírus em atividade com maior frequência


Elaine Wiezel Bacchin - CRN 3659
Nutricionista Funcional


Chocolate X Espinhas

Ainda não foi comprovada a influência de um determinado tipo de dieta alimentar com a acne (espinhas). Embora estudos tenham evidenciado que a dieta com baixo índice glicêmico (açúcares), possa melhorar a acne, não há evidência científica que justifique orientar os pacientes a não comer doces - como os deliciosos chocolates. No Congresso da Academia Americana de Dermatologia foi questionada a ingestão de derivados do leite de vaca (como o chocolate) e a relação com o aparecimento da acne. Foram feitos exames no leite e constou-se a existência de hormônios que pioram a acne. Em resumo, não se pode comprovar a relação da dieta com a acne. Chocolate não é a causa das espinhas, mas se você tem predisposição genética e percebe que as suas espinhas pioram com determinados alimentos, evite-os. Outro posicionamento científico sobre o chocolate e a acne é que “depende”. O equívoco acontece porque as pessoas interpretam que a gordura que comemos no chocolate vai direto para a pele e promove a acne, quando na verdade, o que ocorre é que o açúcar e o leite presentes nele estimulam a produção de insulina e a ação dos receptores hormonais da pele, resultando no mau funcionamento das glândulas sebáceas.

Quando o sebo produzido se acumula dentro do poro, então acontece a proliferação da bactéria causadora das espinhas. Portanto, a ingestão acentuada de chocolate dá, sim, espinhas - mas de forma indireta. Alimentos como amendoim, chocolate, carne de porco não provocam espinhas isoladas - muito menos acne. Muitos trabalhos científicos comprovaram que não existe relação direta entre o alimento ingerido e a produção do sebo pela glândula sebácea. As causas decorrem de inúmeros fatores, tais como os já citados genéticos e hormonais, por hipersecreção sebácea, hiperqueratinização do folículo piloso e por colonização bacteriana do propionibacterium acnes.
Substituir o chocolate comum pelo diet faz alguma diferença para a pele? Não faz diferença alguma. O chocolate diet só não tem açúcar, mas tem mais gordura do que o chocolate normal.

Faça uma experiência você mesma, por um período de quinze dias, e observe os resultados.

Fonte:
http://www.bolsademulher.com/beleza/chocolate-causa-espinhas-dermatologista-tira-duvidas/ 
http://www.cintiaotsubo.com.br/imprensa/release/81-comer-chocolate-nao-causa-espinha-desmistifica-dermatologista.html
http://papofeminino.uol.com.br/mulher/saude-e-bem-estar/chocolate-da-espinha/
http://www.belezaedermatologia.com/2012/04/chocolate-x-acne.html