logotipo

Nutrição para pessoas com Mal de Alzheimer

Lygia Rangel Marcondes

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Uma alimentação mais adequada melhora a qualidade de vida das pessoas, de todas as pessoas. 

Sobre a doença do mal de Alzheimer pairam ainda muitas dúvidas científicas em diversas frentes de pesquisa. Mas, no caso da alimentação, encontramos vastos conhecimentos sobre os benefícios que ela trás para todos os portadores de qualquer que seja a doença, inclusive do Alzheimer.

É imperdoável o despreparo com a alimentação das pessoas, em especial das pessoas acometidas com uma patologia. No caso, devemos nos atentar para a possibilidade do diabetes mellitus, das doenças vasculares e da desnutrição acometer o paciente com Alzheimer. Propomos, exemplificativamente, um enumerado de dicas que ajudam o ato de alimentar bem estes doentes, a saber:

A - de  quatro a seis refeições diárias;
B - uso de carboidratos - pão, bolacha, arroz, batata e etc. – de proteínas - leite, queijo e carnes – e, de vitaminas, minerais e gorduras, diariamente;
C - oferecer alimentos variados, um alimento de cada gru-po alimentar;
D - observar a necessidade digestiva – alimento cozido e não totalmente batidos;
E - evitar alimentos liquidificados, o que extrai o sabor e deixa de ajudar na re-memorização do prazer, de outrora, com àquela comida;
F - variar o sabor vez ou outra, com canela em pó - no pre-paro de carnes e leguminosas - com cravo, hortelã, coentro e outros;
G - tornar os sabores agridoces para aumentar a ingestão de alimentos;
H - controlar a obstipação e a diarreia a partir da alimentação;
I - evitar alimentos com patologia associada - diabetes, pressão alta, aumento de colesterol, etc. – orientando-se por médico e nutricionista;
J - monitorar o peso e a associação com a perda da fome ou fome exagerada;
L - conferir sempre a temperatura da comida - quentes po-dem queimar, frias não são palatáveis. Use pratos térmicos;
M - estimule na alimentação o uso de utensílios coloridos, de alimentos de cores diferentes, chame a atenção do paciente e melhore o interesse pela comida.

São detalhes consolidados em estudos, sobre uma adequada alimentação, para as pessoas acometidas com enfermidades que dificultam o ato e a vontade de se alimentar, o que ocorre com os acometidos pelo mal de Alzheimer.

 

Lygia Rangel Marcondes
CRN 4109Nutricionista

(19) 3455.5494  |  3407.6827
Rua Fernando de Assis Saes, 267
Centro – Santa Bárbara D´Oeste