logotipo

DORES CRANIOFACIAIS

DRA. PATRÍCIA CHRISTOFOLETTI ROSSETTI

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

A importante visão do todo nos tratamentos da ATM e demais disfunções temporomandibulares


A cavidade oral abriga funções cotidianas fundamentais à vida de relação, como comer, falar, mastigar, deglutir, sorrir, engolir, transmitir emoções e sentimentos através das expressões faciais. Essa estrutura é muito importante para a sobrevivência, e, sua sensibilidade está relacionada com uma extensa representação no córtex cerebral. Outra característica dessa área é a riqueza e complexidade do sistema trigeminal, que apresenta uma vasta convergência de informações de áreas bem diferentes dentro da nossa cabeça.

As dores pertinentes à odontologia são oriundas de doenças ou distúrbios funcionais que envolvem o aparelho mastigatório, particularmente da cavidade oral, os dentes, os maxilares, a articulação temporomandibular - ATM, e, os músculos da mastigação. O ideal é que nenhum movimento da ATM apresente dor, ruído, desvio, limitação de abertura e fechamento bucal. Assim, as disfunções temporomandibulares – DTMs se dão por um variado número de problemas clínicos que envolvem tanto a musculatura mastigatória quanto a ATM propriamente dita.

Existem causas onde as DTMs apresentam fatores etiológicos crônicos, como o “apertamento” dental e ou hábitos deletérios como morder lápis, caneta, abrir a boca além do limite fisiológico, etc. Esses somados às perdas dentárias causam problema de oclusão, ou seja, um “engrenamento” dental fora da normalidade, provocando diversos tipos de dor.

patriciarossetti jan2018b

Apesar desses achados, apenas nas últimas décadas a DTM passou a ter posição de destaque no contexto das dores craniofaciais.

A dor facial, em particular na ATM, é sintoma comum em pacientes com DTMs e tem sido referida como a razão mais importante para a procura por tratamento.
Dentre os sinais, os ruídos ainda continuam controversos, sendo que devem ser avaliados por sistemas de imagem para diagnóstico. Um estalo pode ou não ser representativo de deslocamento de disco articular, assim como uma simples crepitação pode estar relacionada a processos degenerativos. O diagnóstico no ruído é mais difícil, tem tratamento multidisciplinar, assim como em outros distúrbios, como no bruxismo - extremamente presente nos dias de hoje. Estudos mostram que a prevalência de DTMs é muito maior em mulheres do que em homens, sendo explicadas por fatores hormonais e ou psicológicos correlacionados.

Um procedimento de avaliação para essas dores incluem uma excelente anamnese, o exame clínico propriamente dito, a avaliação da ATM, da amplitude dos movimentos mandibulares, dos ruídos articulares, avaliação da musculatura, exames radiográficos e exames de imagem, como tomografia e ressonância magnética.
O objetivo de um diagnóstico é identificar com precisão a origem da queixa do paciente, localizando a estrutura de onde provem a dor, para diferenciar as dores orofaciais, e, definir qual conduta terapêutica usar.

Já nas mialgias mastigatórias, dores somáticas profundas caracterizadas por fadigas, podem ocorrer a limitação na abertura de boca aguda ou crônica, dependendo do tempo e intensidade dos tais sintomas. As mialgias representam a principal causa de dor persistente na cabeça e pescoço, fazendo parte das DTMs, sendo consideradas, após a odontalgia - dor de dente - a principal causa de dor no segmento orofacial.

Importante ressaltar sobre os fatores psicossociais, que têm grau sempre elevado em pacientes com muita ansiedade.

Uma das chaves para o sucesso no controle ou cura da dor miofascial, mesmo que seja somente orofacial, é o envolver o paciente no seu tratamento, tanto caseiro, nas massagens, na aplicação de calor e frio, no uso correto dos dispositivos intraorais – as placas, na higiene do sono, na importância da mastigação correta - bilateral, no comparecer às consultas, como no sempre ter em mente que se deve tratar a patologia de forma multidisciplinar.

Nós, como cirurgiões dentistas, fazemos nossa parte, e, sempre que necessário outros profissionais da área da dor devem ser indicados, como os da acupuntura, da ortodontia, os fisioterapeutas, médicos e psicólogos, dentre outros.



patriciarossetti

DRA. PATRÍCIA CHRISTOFOLETTI ROSSETTI
CRO 51889
Cirurgiã dentista; Ortodontista; Curso multidisciplinar de dor no HC; Acupunturista pela São Leopoldo Mandic e Membro da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor - SBED


patriciarossetti

(19) 3458.3484

Rua Bélgica, 1744 - Jd. Europa | Santa Bárbara D’Oeste

(19) 3621.4001
Rua José Ferreira Aranha, 272 - Jd. Girassol | Americana