logotipo

Por que fazer a limpeza de tártaro no seu animalzinho?

Renato Gayola

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

A doença periodontal é um problema muito presente nos animais que passam pela clínica veterinária.

O principal sintoma é a formação do cálculo dentário. Restos de alimentos e bactérias presentes na boca vão se aderindo aos dentes, formando a placa bacteriana que resulta no tártaro.

A queixa mais comum relatada pelos proprietários se relaciona ao fato de os animaizinhos, com a presença de uma periodontite, possuírem mau hálito. Clinicamente podemos observar ainda retração da gengiva, sangramento das mucosas da boca, a perda de dentes, e, com a dificuldade para mastigar, o emagrecimento.
É muito importante lembrar que as bactérias presentes no tártaro também podem atingir a corrente sanguínea e prejudicar outros órgãos tais como o coração, os rins e o fígado levando a uma insuficiência cardíaca e ou renal e resultar na morte do animalzinho.

Animais que podem desenvolver tártaro

Qualquer cão ou gato pode desenvolver tártaro. Tanto os de pequeno porte, como Shih-tzu, Poodle, York Shire e Lhasa Apso, que têm maior predisposição ao problema por terem dentes muito próximos um dos outros, quanto os de porte maior. O recomendado é que todo animal faça uma limpeza de tártaro com a frequência variando entre um e três anos. O mais correto é levar o seu pet ao veterinário para uma avaliação dentária sempre que possível.


Tartarectomia


A tartarectomia é o tratamento através de procedimento simples no qual o animal é anestesiado e os dentes são limpos com o auxilio de ultrassom dentário. Já para o caso dos dentes que têm a retração com exposição da raiz faz-se o tratamento ou se necessário a extração. Após a limpeza é preciso o uso de antibióticos e analgésicos.
Estão disponíveis no mercado para PET ossinhos artificiais, biscoitos e até rações especiais que ajudam a prevenir a formação de tártaro. O melhor método de prevenção ainda é a escovação dos dentes três vezes por semana, no mínimo. O ideal é que desde filhote o animal seja treinado para que aceite a escovação. Sempre que possível passe o dedo nos dentes do filhotinho para acostumá-lo com um contato externo e assim ficar mais fácil se usar a escova dental no dia a dia dele. Na escovação é recomendável o uso de escovas específicas, e, vale lembrar também que o creme dental utilizado não deve conter flúor. O animal acabará por engolir o excesso de creme dental e poderá sofrer reações alérgicas, vômitos e até gastrite.



Renato Gayola - CRMV 18529-9
Veterinário da Cia do Animal


(19) 3405.2213 | 99146.4649
Av. de Cillos, 1609
Jd. São Pedro, Americana
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.