logotipo

Diabetes mellitus canino

RENATO GAYOLA

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em StumbleuponCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

É possível cuidar e melhorar o prognóstico. Demanda tempo e carinho dos donos e do veterinário

O diabetes mellitus é uma doença caracterizada pela deficiência relativa ou absoluta do hormônio insulina produzida pelo pâncreas. É um distúrbio endócrino bastante comum na rotina da clínica, que tem na sua causa diversos fatores - hereditariedade, infecção viral, pancreatite, obesidade e outras.
Os cães diabéticos na sua grande maioria apresentam um aumento no consumo de água (polidipsia), aumento do volume urinário (poliúria), aumento na ingestão de alimentos (polifagia) e perda de peso. Ocasionalmente, o proprietário leva o animal até a clínica por conta da cegueira súbita causada pela catarata e ou por causa de sintomas de cetoacidose - vômito, diarréia e anorexia.
O diagnóstico do diabetes mellitus consiste na constatação da presença desses sintomas associados ao aumento da concentração de glicose no sangue (hiperglicemia) e a presença de glicose na urina (glicosúria).
Logo que estabelecido o diagnóstico os cães devem ser tratados com insulina, dieta e exercícios. A insulina de ação intermediária é a primeira escolha e devemos administrar duas vezes ao dia.     A dieta deve ser rica em fibra para minimizar o aumento da glicemia e evitar a obesidade.
Os animais devem ser avaliados semanalmente até obter um controle glicêmico satisfatório. A cada avaliação o proprietário deve relatar detalhes sobre a ingestão de água, alimentos e volume urinário.
Em alguns casos permanecem os sintomas, o que pode ser decorrente da técnica de administração da insulina, por inflamações, infecções, neoplasias, distúrbios hormonais e ou causas que devem ser pesquisadas pelo médico veterinário.
O prognóstico para os cães diabéticos depende do comprometimento ou não do proprietário e da gravidade das afecções concomitantes que possam ocorrer. Em média o tempo de vida pós-patologia é de três anos. Animais sem complicações e com proprietários atenciosos podem sobreviver cinco anos ou mais.



Renato Gayola - CRMV 18529-9
Veterinário da Cia do Animal



(19) 3405.2213 | 99146.4649

Av. de Cillos, 1609
Jd. São Pedro, Americana
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.