logotipo

Obesidade canina

SALETE RODRIGUES CANDIDO

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em StumbleuponCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Um pouco mais de atenção para com nossos pets pode trazer aquela qualidade de vida que eles tanto merecem. Façamos nossa parte

O crescente o número de casos de obesidade canina percebidos nos atendimentos de roti-na na maioria das clínicas vete-rinárias. Pesquisas recentes comprovam: “há uma estima-tiva de que no Brasil trinta por cento dos cães são obesos”. O fato não surpreenderia se o mesmo não prejudica-se a vida do nossos bons amigos. 
Na maioria das vezes o dono sabe que o seu cão esta acima do peso e não lhe ocorre sobre os riscos que isso traz para a saúde do seu pet.
Os sintomas da obesidade podem ser comprovados ao observar no cão as seguintes alterações:     ausência de cin-tura, dificuldade para palpar as costelas, canseira prematura durante as brincadeiras e passeios, sonolência, coleira “apertada” gradualmente e corpo des-proporcional com a cabeça e membro. Está na hora de cuidar dessa criança.
O primeiro passo é ter a preocupação de descobrir o que está causando a obesidade canina. Consultar o médico veterinário é o caminho ideal para iniciar o diagnostico, através de uma anaminese o veterinário fará as correlações com a obesidade canina e a raça, idade, os alimentos que o mesmo come, a quantidade oferecida, o tipo de ambiente em que o cão fica, as atividades de que ele participa e se faz uso de medicamentos de forma sistemática.
No exame físico o veterinário verifi-cará o peso e a conformação corporal do cão, para estimar o peso ideal que deveria ter o seu pet. Alguns exames para checar a presença ou não de alguma doença hormonal correlacionada à obesidade.

Em regra, alguns fatores levam a predisposição à obesidade nos cães, a saber:
a) super alimentação - ração, comida ca-seira, petiscos;
b) o sedentarismo;
c) a predisposição racial;
d) o pós-castração.

Todos estes fatores podem e devem ser controlados pelo dono do cão. Para isso o médico veterinário pode fazer um planejamento terapêutico que deverá ser colocado em prática pela família pro-prietária do cão obeso.
É preciso salientar que a obesidade traz predisposição para algumas doenças assim como agrava àquelas já existentes, tais como as doenças osteoarticulares, as discopatias, problemas respiratórios e cardiovasculares, problemas dermatológicos, a diabetes mellitus e maior risco em anestesias e cirurgias.
É importante o responsável saber que a obesidade diminui a qualidade de vida do seu cão, altera o humor e a expectativa de vida normal. Não espere o quadro de obesidade se agravar. Procure um médico veterinário e inicie o tratamento de forma segura e adequada.

Salete Rodrigues Candido – CRMV/SP 8764
Especialista em Reabilitação Veterinária
Diretora geral da L&M



(19) 3468.2845  |  99782.0377

R. Paschoal Ardito, 1043, São Vito - Americana
www.latidosemiados.com.br