logotipo

Alteração comportamental no cão idoso

SALETE RODRIGUES CANDIDO

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar em FacebookCompartilhar em Google PlusCompartilhar em StumbleuponCompartilhar em TwitterCompartilhar em LinkedIn

Mudanças de comportamentos que podem ser amenizadas, com cuidado e acompanhamento especializado

Quem tem ou já teve, em casa, um cãozinho idoso por certo já se deparou com alguns comportamentos estranhos do pet. Coisas diferentes, que nem de longe ele era acostumado fazer. É de chamar nossa atenção quando o cão muda sua rotina, para de fazer xixi no mesmo lugar, dorme muito, temperamento mais agressivo - logo percebemos que tem algo errado com ele.
Devido à qualidade nos tratamentos dispensados que nossos pets recebem ao longo de muitos anos, têm proporcionado uma vida mais longa. E aí, mais idoso, ocorre uma maior incidência das tradicionais doenças degenerativas. Dentre elas, o Distúrbio Cognitivo do Cão Idoso. Vamos, então, conhecer alguns sintomas:

Troca do dia pela noite. O pet fica perambulando pela casa à noite e muitas vezes chorando – vocalizando. Ele só se acalma se alguém aparecer e fizer companhia. Seu tutor fica preocupado que ele esteja com dor, fome, sede ou algo incomodando - mudanças no ciclo sono-vigilia.
Não passar por um obstáculo. Ficam um “tempão” parados, ali, na frente de um móvel, ou, entram em um espaço pequeno e não conseguem sair. Ficam parados em um canto de parede, sem solucionar a questão. Também, nos degraus, não sobem e nem descem. Estão enxergando bem, tem físico bom, mas...
Mudança de temperamento. Alguns podem ficar mais agressivos, se comunicam menos com os donos e não toleram mais brincadeiras, ou, proximidade de outros cães. Ficam “ranzinzas”, e devemos ter cuidado porque podem morder, brigar.
Ficam um pouco alheios. Eles não têm mais as reações que tinham antes, não dão mais tanta importância aos movimentos que acontecem dentro de casa, não tem mais festa quando chegamos, não ligam mais para as brincadeiras e brinquedos que tanto gostavam – passam muito tempo do dia dormindo.
Urinar e defecar em locais inapropriados. Agora fazem as necessidades em lugares um tanto inapropriados. Não fazem mais no jornal, tapete higiênico, no quintal ou mesmo durante o passeio de rua, fazem dentro de casa.
Não se higienizam mais. Param de se lamber, de limpar a região genital, as patas e outros locais que se higienizavam antes.
Quando você perceber estes sintomas, é hora de levá-lo ao médico veterinário para diferenciar este comportamento de outros possíveis problemas de saúde.
Caso diagnosticado o Distúrbio Cognitivo do Cão Idoso, podemos iniciar várias ações focadas  na qualidade de vida, como a melhora na nutrição, uso de antioxidantes, enriquecimento ambiental, exercícios, e, medicamentos - que vão ajudar na oxigenação cerebral e na regulação do sono. Os sintomas ficarão mais brandos.
Com o carinho de profissionais capacitados e o amor da família, o peludo estará feliz sempre.


M.V. Salete Rodrigues Candido – CRMV/SP- 8764
Diretora da L&M
Especialista em Fisiatria Veterinária.




(19) 3468.2845  |  99782.0377
Av. Paschoal Ardito, 1043, São Vito - Americana
LMVeterinaria
Aberto 24 Horas